Nota

Criem suas filhas e filhos para serem como Maísa.

Primeiramente, Silvio Santos não é o mostro da história, -claro que ele tem sua porcentagem de culpa-, mas chega a ser absurdo julgar um homem de oitenta e seis anos por demonstrar um comportamento, no mínimo, conservador. Aliás, eu sou capaz de apostar que aos seus dezenove anos, provavelmente menos, alguém cobrou dele a mesma masculinidade que ele exigia de Dudu Camargo em seu programa.

Dudu, por sua vez, também não é o maior culpado, e creio que não é a primeira vez que o garoto tem sua sexualidade brutalmente posta a prova.
Claro que intimidar uma menina de forma tão abusiva é um comportamento injustificável e que merece sim ser criticado, mas dá forma correta.

Não é tão fácil quanto parece ser um garoto de dezenove anos em uma sociedade opressora como a nossa. A puberdade masculina é também é cercada de cobranças machistas por todos os lados, e sim, o machismo também oprime homens.

Eu não estou dizendo que os homens são tão vítimas quanto nós e nem que o comportamento machista da grande maioria é justificável. Mas arrisco dizer que muitas das atitudes abusivas e agressivas que Dudu Camargo demonstrou, se deram para esconder sua insegurança, e toda essa necessidade de auto afirmação masculina não existiria se ele tivesse tido uma educação como a de Maísa, -que não pode, nem deve passar despercebida-, e sua sexualidade e liberdade respeitadas.

Maísa é uma menina de quinze anos que também não teve sua sexualidade e liberdade respeitadas e ao se ver em uma situação machista, fez o que sua criação lhe ensinou  ser o certo: se colocou de forma segura, imponente e confiante(coisa que não é nada fácil). Ciente de que merecia mais respeito e consideração tanto por parte do patrão, quanto do colega, em nenhum momento se deixou dominar por nenhum dos dois. Repito: É UMA MENINA SE QUINZE ANOS.

Enquanto Dudu, é um rapaz de dezenove que posto em uma situação igualmente machista fez o que sua criação lhe ensinou ser certo: escondeu a fragilidade atrás do machismo. 

Moral da história:

Pra cada Maísa empoderada existe um Dudu inseguro que vai oprimi-la pra se  sentir superior. Não adianta persistir em ensinar só mulheres a se defenderem do machismo.